Premiações

Com Globo de Ouro, o ano do cinema e da TV começa a ser revisto

Publicado em 08/01/2017 , às 13 h47

Estadão Conteúdo

Globo de Ouro está marcado para este domingo (8), a partir das 22h (horário de Brasília) / Foto: AFP

Globo de Ouro está marcado para este domingo (8), a partir das 22h (horário de Brasília) Foto: AFP

Quarenta e nove dias separam a entrega do Globo de Ouro para a cerimônia do Oscar. Houve um tempo em que se dizia que a primeira premiação, aquela que sempre foi vista como a responsável por abrir a temporada de prêmios para o cinema, indicava a temperatura e a possibilidade de vitória de determinado filme ou diretor. Esse tempo passou. O Globo de Ouro, neste domingo (8), representa um misto de autobajulação da Associação de Correspondentes Estrangeiros de Hollywood, os votantes dessa premiação e uma oportunidade se discutir se as escolhas dos vencedores foram equivocadas ou justas. A 74ª edição da cerimônia está marcada para este domingo, 8, realizada no hotel Beverly Hilton, em Los Angeles. No Brasil, a festa apresentada por Jimmy Fallon será transmitida pelo canal por assinatura TNT, a partir das 22h.

A grande questão do Globo de Ouro é dividir suas categorias. Não há uma escolha pelo melhor filme ou melhor série de TV - sim, é sempre importante lembrar que o Globo também vota nas melhores produções para a telinha. As categorias se dividem entre melhores filmes e séries de comédia/musical e drama. O que, no ano passado, gerou um descontentamento. Embora com um bom timing de piadas por parte do seu protagonista Matt Damon, a ficção científica dramática Perdido em Marte foi escolhida como melhor longa de comédia e drama. Até Damon também ficou com um Globo como melhor ator nesta categoria. Depois de tanto chiado por parte do restante da crítica e até da indústria, a associação decidiu mudar suas regras. Filmes dramáticos com tons de comédia, caso de Perdido em Marte, dirigido por Ridley Scott, concorrerão com outros dramas. 

Outras das questões da temporada de premiações do cinema no ano passado foi a falta de representatividade de atores e diretores negros entre os indicados e vencedores. O fato criou a hashtag no Twitter de #oscarsowhite, algo como "Oscar muito branco", em tradução livre. O Globo, ao menos, indica uma mudança de comportamento, enfim. Há grandes produções, como Moonlight - Sob a Luz do Luar, Estrelas Além do Tempo, Fences e Loving, nenhuma ainda em cartaz no Brasil, que figuram entre as categorias de melhores filmes e têm seus atores negros listados entre os postulantes ao troféu. A tendência é que isso se repita nas premiações que virão ao longo destes dois meses. 

As duas forças no cinema deste ano - confira os favoritos para a TV no texto abaixo - estão em duas histórias que fogem da grandiloquência de 2016. Como melhor comédia/musical, o favorito da crítica é La La Land - Cantando Estações, de Damien Chazelle. O mesmo diretor e roteirista de Whiplash deixa a dureza do seu filme anterior, mantêm o flerte com o jazz e transforma a música numa história de amor mais leve entre Ryan Gosling e Emma Stone, ambos também indicados em suas categorias. O longa tem sete indicados e é o favorito a sair do Globo com força para o Oscar - mas, como sabemos, nem tanto.

PALAVRAS-CHAVE: entretenimento cine & teatro

Continue Lendo

COMENTE ESTA MATÉRIA

Nome:
E-mail
Mensagem

O comentário é de total responsabilidade do internauta que o inseriu. O NE10 reserva-se o direito de não publicar mensagens com palavras de baixo calão, publicidade, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conduta que possa ser considerada criminosa.

SERVIÇOSNE10


Vitrine NE10
Vitrine NE10
Fechar vídeo